Zé do Hamburger

Como diz minha descrição neste blog, “xis” só no Rio Grande do Sul. Por quê? Simples, porque é infinitamente mais gostoso que todos os feitos aqui.

O pão, o recheio, a suculência, o tamanho…  ganha disparado em todos esses quesitos! Por isso, quem vai pra POA, não pode deixar de conhecer a baixa gastronomia de lá; é simplesmente fantástica.

pratos vintageEnquanto espero minhas próximas (e merecidas) férias, fico eu, aqui em Sampa, tentanto encontrar um lanche que ao menos “engane” essa minha fixação por “xis”. Foi então que decidi onde almoçaríamos neste último sabadão: no tal Zé do Hamburger.

O lugar realmente é muito interessante, a decoração retrô por todos os cantos, remetendo aos anos 50, impressiona. Até pequenos detalhes, como os pratos vintage da Kellog’s, não foram esquecidos.

onion ringsMas vamos ao que interessa: os lanches — afinal eu estava morrendo de fome. Para começar, pedi (meio que no susto) uma porção de onion rings. Antes tivesse perguntado como era a de lá, pois aquele balde de cebola ralada frita no óleo não é comigo. Gosto daquelas cebolas cortadas em rodelas generosas, verdadeiros anéis envoltos em massa crocante e sequinha. Ponto negativo.

MinasNão demorou muito, veio o sanduíche. Pedi o Minas: hamburger, cebola frita, molho barbecue e maionese (R$ 16,00). Gostoso, mas na primeira mordida senti todo o drama: por conta do excesso de molho barbecue o lanche ficaria extremamente enjoativo e assim aconteceu. Já na quarta mordida eu estava me perguntando: Custava ter pedido um bem basicão?! O Elvio foi de Lambreta (hamburger de picanha ao alho, rúcula, muzarella de búfala e maionese) que estava bem melhor.

LambretaTem um lance que achei muito legal, você pode escolher o ponto do hambúrguer: mal passado, bem passado e ao ponto. Fiquei com este último e… não é que o chapeiro acertou? Estava uma delícia.

A Coca-Cola de garrafinha (R$ 3,90) é a bebida certa para acompanhar o seu lanche – até porque, se quiser tomar um chopinho, vai ficar querendo (lá, álcool, só para limpar as mesas)…

Enfim, no meu caso, custo × benefício prejudicado pela distância e pelo valor um tanto elevado da conta. Valeu a visita para matar minha curiosidade. Mas “xis”, mesmo, só lá no Rio Grande do Sul.

Data da visita: 06/08/2011.

Zé do Hamburger
http://www.zedohamburger.com.br/
Rua Itapicuru, 419
Perdizes
São Paulo, SP

Bar da Dona Onça

Para comemorar meu aniversário escolhi o bar localizado no belo edifício desenhado por Oscar Niemeyer, o Copan. Eu precisava de um lugar que servisse pratos e petiscos, ou seja, ao gosto de cada convidado. Acertei em cheio!

Pra começar muita Serramalte gelada (R$ 9,00). As garrafas ficavam em baldinhos ao lado da mesa, garantindo a temperatura ideal. Os garçons eram responsáveis por reabastecer os copos, que por sinal não ficavam vazios nunca. Muito eficaz o atendimento.

De porções, começamos com a Croc (bife à milanesa, cortado em pequenos cubos, acompanhado de dois molhos: tomate apimentado e queijo). Muito saboroso.

Algumas Serramaltes depois, foi a vez de um trio de sanduíches de mini pão francês com recheio de carne moída, ovo cozido e salsinha. Crocantes e quentinhos, tinham gostinho daqueles feitos em casa. Aliás, essa parece ser a proposta do restaurante.

Bar da Dona OnçaPara fechar a sessão comilança, fomos de canapés de steak tartare (carne crua cortada na ponta de faca). O tempero da carne estava uma delícia, bem marcante, ao contrário da massa que servia de base, crocante, mas um tanto insossa.

O ambiente é um dos pontos altos da casa. A decoração conta com toques da Onça Pintada em todos os cantos, inclusive nos belos quadros com fotos de grandes cidades do mundo todo.

O Dona Onça, é sem dúvida, aquele tipo de bar que devemos incluir na lista dos grandes lugares de Sampa. Então, reúna os amigos ou vá a dois, mas vá conhecer, com certeza será um programão!

Data da Visita: 04/08/2011.

Bar da Dona Onça
http://www.bardadonaonca.com.br/
Av. Ipiranga, 200
Edifício Copan, lojas 27 e 29
Centro
São Paulo, SP
Tel.: (11) 3257-2016

Rincon Patagônico

No sábado à noite, resolvemos ir conferir a parrillada do Rincon Patagônico. Situado numa casinha escondida, próxima à esquina da Giovanni Gronchi com a Guilherme Dummont Vilares, tem apenas duas vagas de estacionamento. Não tem vallet e parar na rua não pareceu muito fácil – a rua é escura e não vi vagas perto. Como fomos de táxi (afinal, íamos tomar vinho), não fez muita diferença.

O espaço é pequeno e aconchegante, com decoração temática. No telão, rolava Argentina × Uruguai. A camisa do Messi, na parede ao lado, dava o tom de como seria a noite.

Anexo ao salão principal há um corredor externo, com mesas próximas a uma lareira. Perfeito para as noites sem chuva. Bem, mas nós fomos para lá para comer.

Aproveitamos o cupom do Club89 e pagamos apenas R$59,90 (entrada, parrillada e vinho); acreditem, não nos arrependemos.

De entrada, pedimos uma empanada de carne picante e outra de palmito (R$5,00 cada). Sequinhas e deliciosas.

A parrillada rincon (linguiça, morcilla, vazio ou frango, bife de chorizo ou ancho, batata recheada, abobrinha na brasa e mais um acompanhamento, a R$118,00) é bem servida e satisfaz duas pessoas. Vem numa espécie de réchaud que manteve a carne quentinha durante todo o jantar. Optamos por vazio (fraldinha), bife de chorizo e morrones (pimentão vermelho na brasa), ao ponto. Nos surpreendemos com os cortes altos, exatamente como se espera de um bom restaurante argentino.

A carta de vinhos guarda um achado: Cava Negra Malbec ou Cabernet Sauvignon a apenas R$35,00. Vale experimentar os dois.

A sobremesa (ah, a sobremesa) conseguiu disputar com o jantar. As panquecas com doce de leite (duas, acompanhadas de sorvete de creme, R$18,00) são pedido obrigatório. O café (Nespresso curto, R$4,50) encerrou a noite.

Apesar da qualidade dos pratos e do ambiente, o que mais impressionou foi o atendimento. Excepcional, principalmente considerando que estávamos com cupom. Dirigimos os merecidos elogios aos garçons pessoalmente ao proprietário – sr. Alejandro, que também estava vidrado no jogo – certos de que voltaremos. E logo.

Data da visita: 16/07/2011

Rincon Patagônico
http://www.rinconpatagonico.com.br/
Rua Aureliano Guimarães, 100
Morumbi
São Paulo, SP
Tel.: (11) 3743-8298

Daitakê

Somos clientes do Daitakê, há mais de um ano, do tempo em que ainda possuía área externa (como nas fotos do site, que está desatualizado). Depois da reforma, a área externa foi fechada – bom para os dias frios, mas ruim porque ainda está pela metade (o piso, de cimento queimado sujo de tinta branca, dá o tom da reforma inacabada).

Situado na esquina da Aicás com a Moaci, é fácil de chegar pelo corredor Norte-Sul sentido Interlagos. Possui vallet (R$10,00), mas com algum esforço você acha lugar pra estacionar na rua. O vallet vale a pena somente nos dias de chuva.

Daitakê ChefLá dentro, o ambiente é agradável e o atendimento, atencioso e rápido. Deixe de lado o tradicional festival – acredite, aqui come-se muito melhor pedindo à la carte e, importante, sem pagar mais por isso. Comece pedindo uma porção de carpaccio de salmão (finas fatias de salmão em molho de shoyu, laranja e gengibre com cebolinha, R$15,00). Maravilhoso.

Não sei porquê, mas é dificílimo encontrar um restaurante japonês em São Paulo que faça um missoshiro decente. Por favor, peça! O do Daitakê é delicioso. Suave e delicado, sem ser aguado.

Os temakis, saborosos, têm tamanho médio (cerca de R$10,00 cada). Boa pedida é o de salmão (salmão picado, cebolinha, maionese, alface e pepino, R$9,75).

DaitakêContudo, o ponto forte são os sushis especiais. Deixe de lado os demais combinados e vá direto ao Daitakê Chef (R$38,00): 15 unidades de sushi especialmente escolhidas pelo chef. Seja simpático e oriente o garçon para pedir ao chef a inclusão do Contemporâneo (roll empanado de salmão e arroz enrolados em alga, com cream-cheese, tarê, cebolinha e gergelim) e o Sushi Daitakê (arroz enrolado em finas fatias de salmão empanado, com recheio de salmão batido com maionese, Tabasco, cebolinha e cream-cheese – definitivamente o melhor sushi que eu já comi).

Se você, como eu, vai acompanhado, repita a porção dando, desta vez, liberdade para o sushiman ousar: é bem provável que você seja premiado com criações que não fazem parte do cardápio – e que são o mais bem guardado segredo do restaurante.

A sobremesa pode ser opcional, mas o café, obrigatório. A essa altura, seguramente você já vai estar pensando em quando vai voltar. E certamente você vai.

Data das Visitas: 26/06/2010, 23/02/2011 e 23/06/2011.

Daitakê
http://www.daitake.com.br/
Rua dos Aicás, 1220
Moema
São Paulo, SP
Tel.: (11) 5533-1038 

cervejaria_devassa

Cervejaria Devassa

Gosto não se discute. Fato. Por isso vou discordar de tantas opiniões favoráveis que li antes de conhecer este bar.

Era sábado a noite e nós ainda não sabíamos o que fazer, foi quando lembrei da Cervejaria Devassa. Deixei meu preconceito de lado (odeio Nova Schin) e resolvi arriscar.

Noite bem agradável, fomos caminhando. Já cheguei meio injuriada pois não achei tão perto assim de casa pra ir caminhando com minha bota que não é nada confortável, então pensei: o chopp tem que ser dos bons!!!

Pedimos de cara os chopps Sarará (R$ 8,90) e Ruiva (R$ 5,80), mas…. o que era aquilo?!

O tal Ruiva, aguado até não poder mais. Já o Sarará, extremamente doce, pura banana. Mas como somos brasileiros e não desistimos nunca, optamos por pedir todos os demais para não cometer injustiça: veio Loura, Índia, Negra… todos uma água suja! Os dois últimos, além de aguados, tinham um retrogosto amargo muito desagradável… PÉSSIMO!!!

Enquanto encarávamos os chopps, pedimos uma porção de queijo coalho que acompanhava minúsculos pedaços de tomate e folhas de manjericão.

Não estava tão ruim quanto os chopps, porém bastou o prato esfriar e o queijo virou uma borrachinha.

Outro ponto negativo foi o banheiro, só no segundo andar, detesto isso. E o medo de cair?

Pra completar, não gostei do público que frequenta o bar. Patricinhas metidinhas de nariz empinado era o que mais se via lá.

Contudo, aos 47 do segundo tempo, tivemos uma idéia brilhante: o Bella Dama, um botecão pé sujo (mas bem, beeeeeem, sujo) a menos de 50m da Devassa. Lá fui eu salvar minha noite com uma bela Serramalte e uma porção decente de pastéis de carne e queijo.

Acabou que deu pra me divertir, mas Nova Schin, aprendi de vez a lição, nunca mais!!!

Cervejaria Devassa – Bela Cintra
http://www.devassa.com.br/
Rua Bela Cintra, 1579
Jardim Paulista
São Paulo, SP
Tel.: (11) 3081-6081 / (11) 3081-6081

Syndikat

Syndikat é um jazz club instalado em um sobradinho um tanto escondido nos Jardins. Na entrada da casa há uma pequena varanda com algumas mesinhas de madeira, mas é no subsolo que rolam os shows.

A proposta da decoração é boa, mesinhas baixas e muitas almofadas dão um toque especial ao ambiente, mas creio que o mesmo já está precisando de um upgrade. Isso porque já passou por uma reforma: as paredes, hoje laranjas, eram pintadas de azul.

Eisenbahn Strong Golden AleNessa noite fomos munidos de um cupom de desconto que dava direito a: show ao vivo + antepasto + duas massas a escolher + quatro taças de vinho + sobremesa, de R$ 153,00 por R$ 59,00 — promoção essa para duas pessoas. Parecia perfeito, mas…

Tirando o show que foi muito gostoso de ver e ouvir, o resto não agradou. Para dizer a verdade, a entradinha — pães, pasta de berinjela e azeitonas — até que foi bem comível. Já os pratos, apesar de bem servidos, estavam com o molho rosé aguado e sem gosto.

O vinho, oferecido em taças, dava a nítida impressão de ter sido “batizado” com água. Melhor seria se tivéssemos tido a opção de trocar por cerveja — o cardápio traz opções interessantes, como a Eisenbahn Strong Golden Ale, até a exótica Mac Queen’s Nessie, com malte de whisky.

Syndikat JazzclubPara completar, a sobremesa — que só foi servida após eu lembrar o garçon que ela também fazia parte da promoção — em nada lembrava a mousse descrita no cupom. Tratava-se de uma torta de chocolate… sem gosto de chocolate!! A cobertura parecia feita de pudim daqueles de caixinha. Eca!

O atendimento foi um tanto desastroso. Talvez pelo fato da casa estar cheia por causa da promoção, os dois ou três garçons não davam conta, sumiam do mapa e quando voltavam você tinha de repetir seu pedido pois eles haviam esquecido.

Portanto, se você vir essa promoção em algum desses sites de descontos e se interessar, vá preparado somente para assistir ao um bom show de jazz, pois de resto a casa vai ficar devendo.

Data da visita: 21/05/2011.

Syndikat
http://www.syndikat.com.br/
Rua Moacir Pisa, 64
Jardim Paulista
São Paulo, SP
Tel.: (11) 3016-3087

Cervejaria Ô Fiô

Mesas ao ar livre na grande área externa. Ao lado, a “cantoria” (MPB ao vivo). E lá vamos nós conhecer mais uma cervejaria prometendo ter uma das melhores cartas de cerveja de São Paulo: 250 rótulos de cervejas especiais, artesanais e importadas. Mas não foi bem assim, não.

De cara, notamos que o cardápio estava cheio de bolinhas brancas. Ah! Isso? São as cervejas que estão em falta… avisa o garçom. Muito chato, mas ao menos ele se redimiu indicando por conta própria a alemã Tucher Helles Hefe Weizen, agradou, com presença marcante de cravo, e retrogosto levemente amargo que lhe caiu muito bem.

onion ringsHora de pedir um petisquinho, fomos de anéis de cebola empanados na cerveja. Saborosos, com massa grossa e sequinha. Já uma amiga que nos acompanhava não teve muita sorte ao pedir um caldinho de feijão: na verdade mais parecia um caldinho de coentro.

O atendimento não foi dos piores, mas por muitas vezes os garçons sumiam de vista. Chegaram a trazer uma cerveja que não havíamos pedido e que chegou a ser aberta, mas que não foi cobrada. Deve ter sido em consideração ao total da nossa conta, bemmm cara (os preços das cervejas não são nada em conta).

Gostei de conhecer. Fico curiosa enquanto não vou a um lugar que me interesse, porém não vejo grandes vantagens em me deslocar até o Rio Pequeno e correr o risco novamente de ter que me contentar apenas com as que escaparam da tal bolinha branca.

Cervejaria Ô Fiô
http://www.cervejariaofio.com.br/
Rua Lício Marcondes do Amaral 51
Rio Pequeno
05616-100 São Paulo, SP
Tel.: (11) 3721-6636 / (11) 3721-3688

Veloso

Conhecemos o Veloso noite dessas. Ao chegar, vimos que estava bem cheio. Nenhuma surpresa quanto a isso, todo mundo sabe que lá vive lotado.

Mas estávamos com paciência para aguardar um cantinho para saborear as famosas coxinhas. Aguardamos em pé no meio da muvuca e, em menos de 5 minutos, surge um garçon oferecendo uma cadeira para sentar ali mesmo na área externa. Claro que eu aceitei.

Enquanto esperava por um lugar melhor desocupar, eu tomava meu chopp sentadinha. Ponto pra eles.

as famosas coxinhasNão demorou quase nada para que conseguíssemos um bom lugar no balcão. Veio o segundo chopp — que por sinal não é o forte da casa, um tanto aguado — para, finalmente, nos servirem as famosas coxinhas… Hummm… Delas sim eu gostei, e muito!!! São realmente saborosas, a porção é generosa e o molho de pimenta que a acompanha dá um toque pra lá de especial.

Então, para completar, pedi a tal caipirinha de tangerina com pimenta dedo-de-moça, uma mistura de sabores um tanto diferente. Boa. Mas minha paixão, realmente, são as cervejas. O problema é que avistei somente Bohemias por cima das mesas. Desisti. Detesto essa cerveja. Aliás, isso não é cerveja… mas deixa pra lá, esse já é assunto para outro post.

Data da visita: 06/04/2011.

Veloso
http://www.velosobar.com.br/
Rua Conceição Veloso, 56
Vila Mariana
São Paulo, SP
Tel.: (11) 5572-0254

Khan el Khalili

Minha experiência nesta casa de chá não foi nada agradável. Cupom de promoção vencendo e empolgação zero — parecia que eu já adivinhava o que me aguardava — lá fui eu conhecer o Khan el Khalili.

Khan el KhaliliChegamos no horário marcado dias antes por telefone, às 18hs. O atendente deixou claro que não podíamos nos atrasar pois às 20 hs seria a vez de outro grupo de pessoas, sendo assim, logo pensei: Oba! Vou chegar e já ser atendida.  Doce ilusão… Demorou bem uma meia hora para que fôssemos acomodados. Já começou mal.

O ambiente, num passado bem distante, talvez tenha sido legal. Hoje, está bem “acabadinho”, gritando desesperadamente por uma reforma. Sentados em desconfortáveis almofadas no chão, e com uma pequena mesinha sobre nossas pernas, começou o serviço de chá.

Khan el KhaliliOs salgadinhos servidos eram tão bons quanto comida de hospital — ou seja, totalmente sem graça. Não houve um sequer capaz de satisfazer meu paladar. O chá gelado foi o menos pior, mas demorava tanto que até desisti de repeti-lo — por este último comentário vocês já podem presumir que o atendimento também não ajudou, as poucas garçonetes não davam conta.

Por fim, as apresentações de dança do ventre, única coisa que agradou nessa noite. As dançarinas eram muito simpáticas, bonitas e dançavam muito bem. Uma graça!

A verdade é que embora o show tenha sido bonito, o restante — ambiente, atendimento, preço, comida e bebida — ficou devendo. Portanto, não recomendo, pois este lugar precisa melhorar, e muito!!!

Data da Visita: 30/03/2011.

Khan el Khalili
http://www.khanelkhalili.com.br/

R. Dr. José de Queirós Aranha, 320
Vila Mariana
04106-062 – São Paulo, SP
Tel.: (11) 5575-6647 / 5549-7989

Paris 6

É um dos meus lugares prediletos em São Paulo, ambiente, atendimento, pratos, bebidas e sobremesas me conquistaram. Tudo lá é de boa qualidade e com um toque refinado.

Na nossa visita, chegamos bem cedo, antes das 20h, em uma terça-feira, então foi possível pegar um ótimo lugar na varanda. Na verdade todos os ambientes são ótimos, um charme.

Steak tartareDando início aos trabalhos pedimos um steak tartare, muito saboroso e bem apresentado, um dos melhores que já comi, por volta dos R$ 30. Para beber, vinho da casa: para minha grata surpresa era muito bom e o preço, camarada (R$50), levando em conta o tipo de lugar.

O atendimento é muito atencioso, garçons educados e simpáticos. Inclusive na ocasião o chef mandou o garçon escolher um cliente para ser presenteado com uma sobremesa de-li-ci-o-sa de cortesia, e adivinhe quem foram os sortudos?! Sim, nós dois!

Paris 6O doce se tratava de um soufflé de chocolate acompanhado de  sorvete de creme. Divino! Ficamos ainda mais encantados com o bistrô.

Outra vantagem é funcionar 24 horas. Se sua intenção é de tomar umas e outras, saiba que lá servem bebidas alcóolicas só até as 4 da manhã.

É frequentado por vários famosos. Nessa, tinha até uma paparazzi grudada na porta do banheiro esperando uma cantora sair para clicá-la.

Enfim, recomendamos esse lugar. Quem gosta do que a cidade oferece de melhor, não pode deixar de conhecer essa delícia que é o Paris 6.

Data da visita: 03/03/2011.

Paris 6
http://www.paris6.com.br
Rua Haddock Lobo, 1240
Jardim Paulista
01414-002 São Paulo, SP
Tel.: (11) 3085-1595

bares, botecos, restaurantes e dois clientes pra lá de exigentes

Facebook login by WP-FB-AutoConnect